Pensando a justiça retributiva e as práticas de justiça restaurativa

Na semiótica francesa, o contrato fiduciário, em poucas palavras, constitui um conceito explanado como uma espécie de “jogo [de] um fazer persuasivo de parte do destinador e, em contrapartida, a adesão do destinatário” (Greimas & Courtés [1979], 1983: 184). Quando a comunicação é eficiente, considera-se que a fidúcia estabelecida na base do contrato é recíproca. […]

Leia mais

O papel da Linguística na formação universitária indígena

Esta mesa redonda visa discutir os avanços, problemas e dificuldades, bem como soluções, no que diz respeito ao papel da linguística na formação universitária indígena, tanto com relação às licenciaturas indígenas voltadas para a formação de professores indígenas que atuam ou atuarão nas escolas das aldeias quanto à formação de alunos indígenas nos diferentes cursos […]

Leia mais

La indefinitud en español rioplatense y portuñol

Esta mesa se centra en algunos aspectos relacionados con el estudio de la indefinitud en dos lenguas subrepresentadas: el español rioplatense y el portuñol. Específicamente, buscamos retomar algunas de las preguntas planteadas por Dayal (2023) en relación con cómo se expresa la indefinitud a través de las lenguas. Si bien la autora se centra en […]

Leia mais

Historiografia Linguística no Brasil

Segundo Konrad Koerner (2014) e Pierre Swiggers (2019), a Historiografia Linguística (HL) é um campo interdisciplinar que analisa o processo de constituição histórica da Linguística, e de um modo geral, das Ciências da Linguagem. Desde os esforços pioneiros do Centro de Documentação em Historiografia da Linguística (CEDOCH) da Universidade de São Paulo, e da constituição […]

Leia mais

Vadim Kimmelman

When describing variation at the lexical level in sign languages, researchers often distinguish between phonological and lexical variants, using the following principle: if two signs differ in only one of the major phonological components (handshape, orientation, movement, location), then they are considered phonological variants, otherwise they are considered separate lexemes. We demonstrate that this principle […]

Leia mais

Treinamento fonético com dialetos não tradicionais do inglês

Esta conferência tratará da formação de professores brasileiros de Inglês como Língua Estrangeira (ILE) focada na compreensão e apreciação de dialetos não tradicionais do inglês. Os participantes do grupo experimental completaram quatro sessões de treinamento fonético de alta variabilidade (TFAV). Esta técnica, que se baseia no princípio de que os seres humanos aprendem os sons […]

Leia mais

Quando uma regra entra ou sai da gramática?

Se para linguistas é consenso que as línguas mudam, para não linguistas a gramática ainda é a baliza do que existe e não existe em uma língua. Por isso, sempre que as pessoas percebem que um uso emerge, se perguntam: e a gramática, como fica? Estrangerismos, gerundismo, concordância de número, sujeito de infinitivo, linguagem neutra, […]

Leia mais

GREMD & MorPhon

Por feliz coincidência, em 2004 nasciam, na Universidade de São Paulo (USP), o Grupo de Estudos em Morfologia Distribuída, o GREMD, e, na UFRGS, o Círculo Linguístico – Fonologia e Morfologia, hoje MorPhon. Esses grupos reúnem pesquisadores, em especial estudantes, de diferentes níveis acadêmicos, para estudar e divulgar seus trabalhos, em seus respectivos segmentos da […]

Leia mais

A questão da mudança na aquisição da escrita

Nos estudos em aquisição da linguagem, o tema da mudança é central em termos tanto fenomênicos quanto descritivos e explanatórios. Essa centralidade se deve ao fato de a aquisição envolver, em qualquer perspectiva teórica, a mudança de uma condição X a uma condição Y. “Seleção paramétrica”. “Processos reorganizacionais”. “Redescrição representacional”. “Reconstrução conceitual”. “Reciclagem neuronal”. “Mudanças […]

Leia mais

BNCC, Prática de análise linguística/semiótica e Formação Docente

A mesa tem como objetivo produzir inteligibilidade acerca de como a perspectiva da prática de análise linguística/semiótica é discursivizada no âmbito das políticas curriculares vigentes, considerando ainda, por um lado, sua relação com os avanços das pesquisas em Linguística Aplicada e, por outro, as implicações para a formação de professores de línguas em contexto da […]

Leia mais